Bule Voador

As máculas da ideia de conhecimento

O conhecimento é um privilégio de todos e não existem seres humanos  sem ele, como é constantemente proferido por pessoas que possuem uma visão fechada acerca do tema. Segundo Aristóteles, todos os homens, por natureza, desejam saber. O ser humano está fadado ao conhecimento, mesmo que se oponha a essa assertiva verossímil.

Nesse ínterim entre o nascimento e o conhecimento, existem duas coisas que estão intrinsecamente ligadas a esse produto final: o instinto e a curiosidade. Os dois são grandes propulsores do saber e proporcionam experiências pessoais que revelam novas coisas e expandem a sapiência do ser humano.

Com o passar do tempo houve alterações nas visões, surgiram sistemas educacionais que restringiam (e restringem) o conhecimento do ser humano, deixando quem não tem uma visão mais ampla condenado ao comodismo e a ignorância, como foi exemplificado didaticamente por Platão na sua Alegoria da Caverna.

Diferentemente da antiguidade clássica, idade média e modernidade, a pós-modernidade conduziu as grandes massas a um grande erro: achar que apenas frequentar uma escola e uma faculdade é atingir o ápice da sabedoria. Consequentemente, o homem, acaba trazendo para si uma ideia de superioridade quando há uma comparação com outrem que não trilhou o mesmo caminho.

Um grande exemplo é a história do médico e do pescador: certo dia um médico interpelava um pescador em cima do seu barco no meio de um rio, perguntando-o se ele aprendeu a ler e a escrever; o humilde pescador respondeu-o que nunca frequentou o colégio. O médico, em tom de pena respondeu-lhe: perdeu a vida. Minutos após a afirmação e do silêncio fúnebre que tomou conta do local, aconteceu um acidente onde a embarcação furou e começou a afundar. Então, em tom de preocupação o pescador perguntou ao Doutor se ele aprendeu a nadar e o mesmo respondeu negativamente. Após isso, surgiu da boca do humilde homem a seguinte frase para o ingênuo médico: perdeu a vida.

Então, pode-se inferir que a grande mácula do pós-modernismo é deixar esse grande vácuo quando se fala em outros conhecimentos que não são concernentes a escola ou a universidade. Os dois são apenas dois incentivadores que propagam conhecimentos que já foram formulados por antigos pensadores que tinham uma visão mais ampla, são meros reprodutores. E o contrário disso ocorreu no  século XVIII, que recebeu o carinhoso cognome de século das luzes e foi um grande produtor de conhecimento.

Sendo assim, deve-se levar o sistema educacional como incentivador da criação de novos conhecimentos, um grande propulsor. Ter a mente aberta já é um grande avanço, mesmo que ainda existam grandes pechas que levam o homem ao conformismo e a visão centralizada.

Deve-se também deixar de lado a ingenuidade de achar que quem não tem esses dois incentivadores não é dotado de conhecimento, pois existem outros métodos para obtê-lo, como o empírico que foi usado por Heráclito de Éfeso para apontar as mudanças constantes que ocorrem no cosmos e por Demócrito, que usou  o mesmo método para descobrir o átomo.

Logo,  deixar de lado certos preconceitos é o primeiro passo para ampliar a visão e obter novos conhecimentos. Pois, quando o ser humano levar em consideração que o saber vai muito além de uma escola e universidade, a próspera resposta da educação será uníssona.

Autor: Júnior Soares, 21 anos, graduando em Direito.
Matheus Carlos
Nascido em Petrolina-PE 18 dias antes do falecimento do grandioso Carl Sagan. Sou um cientificista que não acredita que a filosofia está morta para a ciência. Enxergo a divulgação científica como um excelente meio de combate ao obscurantismo bastante presente em nossa sociedade, e portanto, pratico-a. Sou auxiliar contábil e por enquanto não estou inserido no meio acadêmico (Quando quiserem criticar os meus textos não utilizem isso como fundamento. Ad hominem é feio, amiguinhos hehe)
  • Cícero

    Este conhecimento cognitivo, racional, lógico, intelectual e moral é exclusivo nos humanos. Não poderíamos ter vindo de forças cegas casual do limo.
    Isso nos remete a um Criador Inteligente bem definido pelas Escrituras:

    “Para que os seus corações sejam consolados, e estejam unidos em amor, e enriquecidos da plenitude da inteligência, para conhecimento do mistério de Deus e Pai, e de Cristo, Em quem estão escondidos todos os tesouros da sabedoria e da ciência.”
    Colossenses 2:2,3.