Bule Voador

Sobre ateus e modinha

Eu vi a imagem acima no facebook algumas vezes, ela em si não me incomoda, o que me incomoda é gente compartilhando como se fosse verdade, e tem hora que não tem como tolerar gente compartilhando mentira bem na sua cara. Não é uma resposta pra pessoa que a fez, é mais uma reflexão sobre o que está escrito. Vamos lá o/

Não sei de que lugar o sr desenhista tirou essa polarização entre “ateu verdadeiro” vs “ateu modinha”, e ainda colocou um desenho do Richard Dawkins _ que ficou bem legal, diga-se _ para representar o ateu modinha _ o que é um insulto com um grande divulgador de ciência que ele é.

Primeiro lugar ateu é quem não acredita em deus ou deuses. Ponto. Se é ateu modinha ou não, não importa, desde que não creia em deuses, é ateu, e de verdade.

Por moda, entendo que é o mesmo que tendência. Quando falamos de moda para consumo, é quando pessoas consomem um determinado bem porque outras pessoas o fazem, mesmo sem que haja uma real necessidade para tal. Hoje em dia o smartphone está na moda, mesmo que a pessoa não use 98% de suas funções, ela ainda o possui.

Quando falamos de ideologia, imagino que determinadas circunstâncias sociais favorecem que um assunto esteja mais em voga que outros. A queda das torres gêmeas; os casos de pedofilia de padres acobertados pela igreja católica; o crescimento das igrejas evangélicas e a tentativa sucessiva de teocratização dos Estados; somados a popularização das redes sociais, criaram um terreno fértil para que a voz dos ateus, guardados em seus armários por anos, finalmente fosse ouvida como reação aos absurdos cometidos pelas instituições religiosas e seus membros mais extremistas.

Com o assunto falado abertamente nas redes sociais, mais pessoas que não sentiam mais confiança nas instituições religiosas e em seus sacerdotes e em seus seguidores, em reação começaram a se identificar com o discurso ateu, cujo um dos grandes temas era mostrar ao mundo que religião não define caráter, fazendo com que a religião fosse questionada enquanto ponto de referência moral.

Outdoor da ATEA

Outdoor da ATEA

As religiões foram tão afetadas que hoje em dia é comum pessoas acreditarem em deus, mas admitirem não estarem vinculadas a uma religião específica. Pastores e até o ex-papa Ratzinger (Bento XVI) foram em público declarar guerra ao ateísmo.

Muitos jovens entraram na onda do ateísmo, e como acontece em qualquer segmento da sociedade, muitos por mera tendência, se deixando levar pelas palavras (muitas vezes mal interpretadas) de outros ateus famosos como Dawkins, Sam Harris, Hitchens, Dennet e etc. Eu pelo menos percebi que no começo, quando uma pessoa acabava de se identificar com o ateísmo, uma espécie de ressentimento contra a religião crescia, é como se a pessoa se sentisse enganada e necessitasse atacar, mesmo que com piadas, a religião o quanto fosse possível.

Os discursos de Dawkins, Harris e Hitchens sempre foram mais ácidos, e isso para quem está sedento por sangue religioso, é munição mais do que bem vinda.

Só que isto ainda não é suficiente para dizer que os ateus que embarcaram nessa onda, agem todos de uma mesma maneira, e todos aqueles que já eram ateus antes, agem também de uma maneira definida.

Vamos verificar os argumentos do sr desenhista que pensa.

“Acha a ideia de um deus interessante mesmo sem acreditar”

Lembrando que o ateu verdadeiro é aquele que não crê em deus ou deuses, e apenas isso. Um ateu pode sem duvida alguma achar a ideia de um deus absurda e nem um pouco interessante, a questão é mais quais argumentos ele usa para demonstrar isso. Eu particularmente acho interessante, mas nenhum destes deuses que as pessoas acreditam (deus cristão, deus mercado, etc), eu simpatizo muito com o monstro do espaguete voador.

“Encara a ciência como algo que pode ser contestado, e não como uma religião”

Para que algo seja uma religião, é necessário haver um elemento que transcenda (que está além) o ser humano e que haja uma relação entre o ser transcendente e o ser humano. Apesar do budismo não ter um deus, existe a possibilidade de transcendência do budista (Nirvana) através da meditação. No cristianismo o fiel se comunica com um deus transcendente através da oração, o fiel crê que seguindo as palavras da bíblia (exceto o Deuterônimo hehe) pode fazer sua alma transcender após a morte. A ciência é uma ferramenta humana, ela não pode transcender, portanto não pode ser uma religião.

Porém, um outro jeito de ver as coisas, seria colocando a palavra religião como uma forma ideal de se ver o mundo, como um ídolo, tal qual acusa Nietzsche em sua obra o Crepúsculo dos Ídolos. Neste caso, a ciência poderia ser vista como religião, quando sua relação se inverte: ela deixa de ser uma ferramenta humana e começa a instrumentalizar os humanos para seu próprio desenvolvimento _ ela vira um ídolo. Com isso, muitos cientistas ou pessoas que confiam na ciência, a veriam não como um meio e sim como um fim em si mesma, a protegendo a todo custo.

Essa visão “tudo pelo bem da ciência” pode ser extremamente danosa para a sociedade se combinada com maus políticos _ Hiroshima e Nagazaki que o digam.

Agora, tenho minhas dúvidas se só ateus modinha acreditam nisso.

Hiroshima

“Tem consciência da importância da religião para construção de nações saudáveis” ou “Não enxerga todas as coisas boas que as religiões trouxeram para as nações”

Desde que ele não esteja superestimando estes argumentos, eles são válidos.

Um dos elementos necessários para que as pessoas se motivem a viver é acreditar em algo que dê sentido para suas vidas e a religião ocupa este espaço. O sofrimento e o nível de instrução parecem ser variáveis que fazem o ser humano tender a ser mais ou menos religioso.

Em lugares muito pobres, ao invés das pessoas se voltarem contra deus devido a sua miséria, o efeito é contrário, as pessoas tem mais fé, porque talvez seja a única coisa que as mantém vivas.

Em lugares com alto nível de instrução e pouco sofrimento, a crença se faz menos necessária. Na Escandinávia o assunto religião é estranho para eles, a crença em deus ou deuses não é negada, é ignorada.


“Defende a família, valores e não é relativista”

O que é defender a família? É respeitar os pais, irmãos e primos? Um ateu modinha odeia os próprios irmãos e bate na mãe? E se minha família for de gente escrota que não me respeita? Tenho que defender esta família mesmo assim?

Defender quais valores?

Segundo os valores (contidos nos livros) cristãos e até muçulmanos, a homossexualidade é passível de apedrejamento até a morte. Este valor tem que ser defendido? O modelo de família destas religiões tem que ser defendido?

Soa muito vazio essa coisa de defesa dos valores. Os valores são complexos e as situações da vida também o são. Em épocas diferentes a sociedade lida com determinados valores de formas diferentes. Exemplo:

A confiança é um valor, é a confiança que é a base dos relacionamentos, dos namoros, casamentos e até da paz entre as nações. Ter confiança então é bom, certo? Ao chegar na sua casa, deixe todas as portas e janelas abertas, confie que ninguém ou nenhum bicho vai invadir sua casa ou que não vai chover enquanto dorme. Ter confiança aqui não parece muito bom.

Pois então, confiança e desconfiança são valores e ambos podem ser bons e ruins dependendo da situação.

Concordo que ser relativista é um problema pois o outro deve ser levado em conta. Mas achar que valores são absolutos o tempo todo tampouco é positivo.

“Culpa o homem pelas tragédias e assume os erros da humanidade” e “Não acredita em deus, mas culpa deus por todas as tragédias”

Hein?! Como culpar alguém que não existe?

Posso ser legal e entender que ele quis dizer “culpar os religiosos ou instituições religiosas por certas tragédias cometidas em nome de sua crença”.

Por todas as tragédias é um exagero, mas por muitas tragédias, sem dúvida. E mais, eu acho que essa frase quer isentar não deus, mas a religião de culpa por várias atrocidades, e isso não cola.

Se uma legião de cristãos parte numa cruzada com a promessa de irem para o paraíso e terem seus pecados perdoados, sim, é culpa do cristianismo, que é formado por pessoas que o manipulam a seu bel prazer.

[É tipo dizer “o Estado não faz coisas más, quem faz coisas más são os agentes do Estado”. Existe uma correlação inescapável entre o sistema e seus componentes].

A religião não é algo que vive apartado da sociedade, ela pode, e ela é, sempre foi e sempre será braço dos poderosos que farão de seus fiéis instrumento de suas maldades. Por mais que ter fé seja considerado uma virtude por uma parte grande da população, não saber pensar por si mesmo tem se mostrado muito mais danoso para as sociedades em geral.

“É inteligente”

Afirmação absurda.

Qual forma de inteligência? Não tem ateu burro? E porque um ateu modinha não é inteligente?

“Deseja acabar com as religiões” e “Odeia a ideia de um deus”

Porque um “ateu de verdade” não poderia sonhar com o fim das religiões se ele as considerar, apesar de suas coisas boas, um mal no mundo?

Eu acho que se as pessoas pelo menos acreditassem em deus e não seguissem religião alguma, o mundo seria melhor. Se livrar de Macedos, Malafaias, Waldomiros, Ratzingers ditanto regras morais e cobrando por isso, seria maravilhoso.

E qual o problema de odiar a ideia de um deus? Se todos os deuses disponíveis para crença no mercado tem sido insuficientes para acabar com a miséria e dar paz a este mundo, porque ter motivos para gostar da ideia?

Faz sentido não gostar da ideia, e isso não faz de alguém ateu modinha ou não.

“Usa argumentos fracos”

Um anarcomiguxista, um cristão, um socialista, um empreendedorista, um vegano, um justiceiro social, um desenhista e todos que seguem quaisquer ideologias e não sabem o suficiente sobre o assunto, incorrem no risco de usar argumentos fracos para defender suas posições, isto não é privilégio de um “ateu modinha”. E também não quer dizer que um ateu modinha não sabe usar bons argumentos, ou que um ateu de verdade só use argumentos fortes.

“Toma toddynho”

Imagino que o ateu de verdade deva tomar Nescau, mas Toddynho é muito melhor =D

Links

G1 – Cresce número de pessoas sem religião, dizem especialistas do RS

Pew Research – A closer look at America’s rapidly growing religious ‘nones’

Paulopes – Bento 16 associa ‘extremismo ateu’ à tirania dos nazistas

Imagem de abertura do post -> facebook/desenhistaquepensa

Ricardo Heavyrick
programador web de profissão, mas curte mesmo história, filosofia e política. Ex - viciado em video game, amante do futebol, heavy metal, do asfalto e da breja com os brothers. Sabe que nada sabe e espera que aquilo que não o mate, o fortaleça.
  • Caruê Gama Cabral

    Nenhum ateu culpa Deus, a questão é que o ateu consegue raciocinar sobre a ótica do teísta. Ele raciocina pela logica de que deus existe e é bom(definição cristã.) e aborda a questão do mal, em resumo o paradoxo de Epicuro em suas n formas.
    Assume-se premissas teístas para por absurdo refutar um deus pessoal e bonzinho. Cristãos fundamentalistas geralmente não são capazes de supor que deus não existe, talvez pelo ato de questionar já ser considerado pecado.

  • Esse “Desenhista que Pensa” na verdade é só um tonto religioso. É só olhar outras charges dele pra ver que ele pensa com a bunda.

    O negócio dele é desenhar versículos bíblicos e criticar quem não é religioso ou de direita. Veja esta imagem onde ele simplesmente diz que quem é de esquerda odeia religião e defende a corrupção, por exemplo.

    • Ricardo Neves de Almeida Filho

      que absurdo O.O! não tinha visto isso, é pior do que pensava. Eu só me dei o trabalho de fazer o texto porque tinha muita gente compartilhando na minha timeline e concordando com ele.

      • É bom sempre tomar o cuidado de dar uma olhada no link de quem faz essas coisas. Sempre tem algo interessante para se descobrir.

        Neste caso, dá pra perceber que não só ele não é ateu e não entende nada de ateísmo, como ele é muito evangélico, de extrema direita e muito provavelmente curte Olavo de Carvalho.

        A propósito, “defender a família” é um eufemismo para moralismo religioso. Significa “defender a família dos gays, dos comunistas, dos ateus, de quem não é conservador, de qualquer um que queira afastar as pessoas de Deus, de qualquer um que quer mudar o status quo“. Malafaia “defende a família”. Ateus não “defendem a família”. Gays “querem acabar com a família”.

        E “ateu todynho” é um jeito de dizer que alguém não é ateu de verdade, que é só uma criança fazendo birra. Que ateu mesmo é os ateus filosóficos que ficam discutindo o ateísmo silenciosamente nas universidades e não em público para corromper o povão.

        Tem que ficar atento nesses eufemismos. Religiosos usam muito isso.

        • Caruê Gama Cabral

          A outra imagem também revela que a questão da direita e esquerda esta acima da questão religiosa, pois colocaram o Ponde como exemplo de ateu. Exatamente aquele exemplo de ateu academicista que você falou.

          • Religiosos adoram ateus academicistas pois eles fazem o ateísmo parecer aquela coisa complicada e inalcançável para quem não vive no meio acadêmico.

            O Dawkins era um, mas com o tempo ele se aborreceu com as religiões e publicou um livro de ateísmo direcionado às massas. Isso, colocar o ateísmo na mão das pessoas comum, é o que irrita os religiosos.

            O tal do desenhista que se acha lá coloca o “disseminar o ateísmo às massas” como “birra”. Isso é o ateu todynho pra ele.

  • Ragnar_o_Viking

    O movimento ateísta se esforça desnecessariamente (leia, PERDE TEMPO) dando ibope a esse tipo de “crítica”. Corro o risco de exagerar um pouco, mas acho que isso é por culpa da nossa admiração à ciência: queremos explicar tudinho, demonstrar por a+b que o crítico está errado. A necessidade de ganhar o debate. Será que realmente é possível convencer o autor do desenho de que ele está errado? Ou convencer aqueles que viram o desenho? Escolham suas batalhas e não alimente os trolls.

    Eu nem vou entrar no mérito do desenho e do humor: eu ri do “toma toddynho” porque é uma zoação absurda e inesperada. Aliás, o desenho todo tira sarro de esteriótipos e características que vemos nos ateus que conhecemos. Não levem tudo tão a sério…

    O desenho citado pelo Alenonimo, com as diferenças entre esquerda e direita, é até infantil de tão sem argumentos. Eu quase dou os parabéns ao autor pela evolução na “trollada” entre esse desenho e o “diferença entre ateus”.

    Por fim: as fotos no cartaz da Athea só gera mais confusão entre religiosos e ateus. Usar a falácia do Reductio ad Hitlerum é lamentável.

    • Caruê Gama Cabral

      Concordo inteiramente com seus 3 primeiros parágrafos.

      Não existe cordialidade que baste para a sensibilidade religiosa de alguns, além é claro do silencio. Não considero uma falacia Reductio ad Hitlerum. Oque ocorre e que muitos vão fazer um espantalho a charge ignorando completamente a frase ao lado e o contexto. O contexto é que as pessoas acreditam que a moralidade esta vinculada a crença em Deus portanto pessoas sem Deus no coração são capazes de tudo, oque é falso e a imagem refuta exatamente isso, desvinculando moralidade com a crença em Deus. Poderiam ter colocado Hitler(cristão) e Stalin(ateu), mesmo assim imagino que a reação seria a mesma afinal, ainda estaria questionando a moralidade vinculada a crença em Deus.

      Falacia Reductio ad Hitlerum seria associar Hitler ao cristianismo e por conta disso o cristianismo estaria errado afinal Hitler é malvado. Alias associar Hitler ao ateísmo é uma falacia muito frequente, falacia por duas razões.

      1- Hitler não era ateu, era cristão.

      2- Sua conduta moral não invalida as suas crenças filosóficas.

      https://www.youtube.com/watch?v=B2Ar3jdwUJg

      • Ragnar_o_Viking

        Caruê, eu vejo a falácia na associação seguinte:

        Ateu – Chaplin – legal.
        “Crente” – Hitler – pior ser humano que já existiu.

        • Caruê Gama Cabral

          O contexto não permite isso, a menos é claro que esteja determinado a achar pelo em ovo, neste caso nem mesmo um livro esta livre de ser usado como espantalho, quanto mais uma imagem publicitaria que precisa ser extremamente concisa.

          Imagine que na imagem esteja Hitler e Stalin, você acredita que isso seria mais produtivo? Talvez, é a ate possível que a resposta fosse diferente. Existem imagens menos provocadoras como essa: http://www.satirinhas.com/wp-content/uploads/2013/03/satirinhas-religi%C3%A3o-n%C3%A3o-define-car%C3%A1ter.jpg

          Considero tão valido provocações acidas quanto o discurso paz e amor, são abordagens distintas para um mesmo tema.

          • Ragnar_o_Viking

            Concordo que a imagem acima explica bem melhor as possibilidades.

            Eu vejo problema nas provocações ácidas porque elas criam uma barreira (emocional) antes de facilitar o entendimento. Depois de irritar alguém com uma crítica ácida, fica difícil ajudá-la a ouvir o seu ponto de vista.

  • Antonio Porto Rosa Filho

    Só mesmo Sotomaior, da ATEA, para ser pior que o desenhista que pensa.

    • Ragnar_o_Viking

      Pqp… essa imagem é uma desgraça pra qualquer um, principalmente para quem tem filhos. Eu achei uma babaquice as charges que fizeram, mesmo aquelas mostrando o garoto virando um anjinho ou “dormindo”. Sensibilidades e homenagens a parte, isso é se promover em cima da morte de uma criança!

      Já o uso da imagem como argumento a favor do ateísmo, acho que já disse o suficiente no parágrafo anterior.

    • Caruê Gama Cabral

      Independente do uso da imagem, qual seria a desculpa para um deus bondoso onisciente e onipotente assistir a tudo isso parado?

      • Antonio Porto Rosa Filho

        Caruê, Deus não precisa de advogado.
        A imagem acima, logo será esquecida pelos homens, assim como
        muitas outras que virão depois.
        Estamos nos acostumando á barbárie no século que deveria ser o triunfo da razão.
        O julgamento de Deus levará em conta tudo o que aconteceu neste mundo,
        independente de quando aconteceu.
        Algum físico nuclear já se desculpou pelas bombas de Hiroshima?

        • Caruê Gama Cabral

          Então porque existem teólogos, padres, pastores rabinos e cristãos a pregar? Se ele existisse viria ele próprio bater um papo com todas as pessoas da terra, ele não faz, talvez porque não exista. Enquanto isso tenho que me contentar com seus advogados a explicar o porque da evidente ausência. Além é claro do porque um Deus bondoso que liberta os judeus do domínio do Egito, mas não socorreu as vitimas do holocausta ou mesmo o porque deus mandou mana do céu para o povo atravessar o deserto e agora permanece ausente enquanto milhares cruzam os desertos fugindo da guerra.

          Não sei se algum físico já pediu desculpa, mas não ficaria surpreso de ver alguém fazer isso. Surpreso eu ficaria de Deus vir aqui pedir desculpa por derrubar a torre de babel e confundir as linguás ou pelo diluvio global.

      • Ragnar_o_Viking

        Na visão de algumas linhas religiosas, “é o plano divino”. Em outras, “foi o melhor para o garoto”. Não consigo bancar o advogado do diabo aqui, mas tem que consiga racionalizar essa morte com argumentos nessa linha.

        Pra mim, ele é vítima de uma guerra causada por homens. E acho errado atribuirmos causa, ainda que hipotética, a algo que não podemos provar que exista.

        *Editei a última frase para me expressar melhor.*

  • AntonioOrlando

    Ricardo Heavyrick

    Grosso modo, não existe o ateu. Existem ateus. Ou seja, salvo haver uma “ateologia”, ou discurso/cartilha unificado/a do que seja ser ateu há ateus com suas várias leituras do que seja ser ateu. Ser ateu, sobretudo, muda no tempo e no espaço. Do mesmo modo, existem várias correntes cristãs, comunistas, feministas e/ou homosexuais que são divididos em lgbt. Ou mesmo, politicos os quais são divididos em partidos. isto é, não existe o politico e sim politicos. Logo, tentar definir ateu dentro de parâmetros muito rigidos, além de grande baboseira, é de grande pobreza argumentativa.

    1. Há ateus que convivem bem com a ideia de religião:

    2. Para alguns ateus, sim, a ciência é uma religião. Para outros apenas uma muleta para ancorar sua fé:

    3. Ser ateu não carterinha de superioridade intelectual ou moral. Escandinávia, Suécia e outros países nórdicos são extremamente racistas e excludentes é só ler algo sobre o Ásatrú-Vanatrú;

    4. Estados ateus: União Soviética, China, Coréia do Norte, juntos, mataram mais do que as duas guerras mundiais juntas na sua perseguição aos discordantes do regime.

    Enfim, o ateu para não ser uma peça de ficção, isto é, ser verossímil é um amalgama das duas charges. O resto é crise de identidade….

    Abs.

    • Haru Glory

      Ser ateu não se muda com espaço e tempo, ser ateu é apenas não acreditar em Deus ou Deuses.

      1= Conviver bem não significa ficar calado e não se manifestar contra os antagonismos que a religião gera.

      2= Não é religião, pois a ciência é apenas um método de investigação da realidade ( o que não implica em fé).

      3= A Suécia não é perfeita, mas é um país muito mais fácil de se viver do que o Brasil ou qualquer país religioso. O que traz bem estar é Laicidade funcionando e não a descrença ( em se tratando de convicções, moral e etc)

      4= Falácia Non Sequitur : Você confunde e mistura ateísmo com Comunismo. A doutrina que queria banir as religiões era a Comunista e não ateísta.

      • AntonioOrlando

        Haru Glory

        Se você for analisar a letra fria do dicionário, ateu é apenas não acreditar em Deus. No entanto, há entre Raymond Tallis e Richard Dawkins, ambos ateus confessos. inúmeras diferenças conceituais do que seja ser ateu. Do mesmo modo, ser teísta é acreditar em Deus. Há, contudo, enorme diferença entre islâmicos, cristãos e espiritas. Nem o deus é o mesmo… Ou seja, as coisas não são estanques, ao contrário são dialéticas e dinâmicas.

        1. Conviver bem é aceitar, e respeitar, alteridades;
        2. Ciência não está isenta de ideologias. Sobretudo, ciência não é neutra. Ademais, de qual “realidade” você fala?
        3. Prezado, China, Coréia do Norte ou Albânia, um dos países mais atrasados do planeta, não são religiosos. No entanto, estão longe de serem agradáveis para se viver….. O que quis dizer é que ser ateu não implica superioridade moral ou ética;
        4. Ignorância e síndrome de avestruz. Sim, a antiga União Soviética e outros são exemplos acabados de sociedade ateias, ou melhor, as sociedades ateias tendem a ser tão ou mais autoritárias do que as religiosas.

        Abs.

  • Elias Rocha

    Um belo discurso esse seu.. porem muito carregado de fanatismo.. e fanatismo é o ingrediente que estraga toda e qualquer crença, independente de ser na existencia ou nao do que é espiritual.

  • Arlindo Holandes

    Não é pelo “trilema” do Paradoxo de Epicuro que se entende Deus. Essa é a visão que os gregos, em especial, os estoicos possuíam de Deus. O que Epicuro fez foi conjecturar, ele não era ateu, apenas não acreditava que Deus interviesse nas questões humanas. As cenas de mortes, guerras, pestes, fome, desastres naturais, não são culpa de Deus, são nossa culpa, quandos os refugiados entram em um bote e o superlotam estão infringindo sua capacidade de suportar tamanha carga, Deus não é o culpado. É comovente colocar a foto de um menino africano morrendo literalmente de fome, mas já pararam pra pensar o quanto aquele continente já foi saqueado pelo homem e não por Deus? Deus é, sim, Onisciente, Onipotente e Onipresente, pois o Paradoxo de Epicuro é falho, haja vista os deuses gregos serem falhos.

    Deus nunca se eximiu de agir, nem de fazer o bem, fazer o bem não pressupõe Deus aparecer abrindo os céus e parando o titanic para que não se choque contra um iceberg, e não foi Deus quem afundou o Titanic, foi a arrogância de seu construtor e de quem o guiava que confiaram essecivamente em sua invenção e em sua experiência de condutor, acelerando o navio mais moderno de então por águas geladas. Não é à toa que o único ser vivo que possui consciência é o homem, por isso, deve assumir suas responsabilidades. Cientistas alertam que as catástrofes que o desequilibrio da natureza tem um culpado, O HOMEM, principalmente depois da Revolução industrial. Deus age de outra forma, faz o bem enviando seu Filho para salvarnos, desculpem mas o Filho é Deus Onisciente, Onipresente e Onisciente. Portanto Deus esteve, na Segunda Pessoa, entre nós, Jesus comprova sua Divindade fazendo milagres que nem a Ciência contemporânea explica, como em Guadalupe, a NASA não consegue, até nossos dias, explicar de que material é feita e como a imagem de Nossa Senhora não toca mas está a 3 décimos de milímetro do manto (tilma) do índio Juan Diego, nem como aparecem as pessoas que estavam na sala na puplila e na íris da imagem, nenhum desenhista conseguiria fazer tão minúsculos desenhos, ainda mais no século XVI, quem afirma isso não são os cristãos, é um biofísico da Universidade da Flórida, Dr. Phillip Serna Callahan. E principalmente o Milagre Eucarístico de Lanciano, igualmente analisado por cientistas, que não encontraram fraude; assim como o Santo Sudário, analisado pelo Projeto STURP, que não encontrou vetígios de fraude. O próprio Harry Gove, um dos responsáveis pelo teste de carbono14 a que foi submetida a Sindone, revelou que houve falhas no teste de datação, que estipulou como sendo uma falsificação da Idade Média. Hoje é consenso pelo Projeto STURP, que o Sudário tem mais ou menos 2000 anos.
    É assim que Deus prova que é diferente dos deuses criados pelos homens.

    • Kiyoaki Vaceli

      Digamos que segundo o que esta escrito no primeiro paragrafo tem um erro gravíssimo de linha de raciocínio, a parte onde relaciona live arbítrio, arbítrio vem da palavra arbitragem, que e o ato de escolher, determinar e decidir, se as pessoas realmente possuem “Livre arbítrio”, que seria arbitragem independente, ela poderiam escolher o que querem mas isso e totalmente falho, uma vez que criança alguma da africa escolheu passar fome ou fez algo para que resultasse como consequência de sua arbitrariedade, logo ela foi imposta a aquela condição,Tornando-se totalmente Inarbitraria.
      Eu estive lendo também a parte do manto e apenas pela ciência não ser capaz de dizer do que e composto o material, não significa e a ciência seria invalidada por causa disso, existem milhares de elementos que ainda são desconhecidos e um exemplo bem simples e a constante atualização da tabela periódica.

  • Marcos Vicente

    Onde há fumaça há fogo! Os ateus adoram provocar, mas quando são provocados posam de vítimas! Quantas mentiras e charges de mau gosto os ateus compartilham por dia só para sacanear cristãos. Agora esse mi, mi , mi só por causa de uma charge!
    http://www.umsabadoespecial.com/resposta-a-atea/

  • Éverton

    Independente de outros ateus fazerem charge dos cristãos, cada ateu é um ateu, só tem NECESSARIAMENTE EM COMUM o fato de não acreditar na existência de um deus, seja qual for. Não é porque parte dos ateus caçoam dos cristãos que outros ateus que não o fazem tem de abaixar a cabeça diante de algo que não concordam, envolvendo sua posição. O paradoxo de Epicuro não é falho, porque de uma forma ou de outra demonstra que Deus falha. Independente da “explicação” de vocês, não tem como conservar o conceito de bondade ou amor que vocês costumam atribuir ao mesmo. Independente de ser nós mesmo a causa de todo nosso sofrimento, Deus poderia ter cancelado a POSSIBILIDADE de ir proceder, ou pelo menos cancelar as possibilidades de sofrimento mais trágico. Simplesmente.

    • Arlindo Holandes

      Você continua sem convencer com sua “explicação”, pois, logo se vê que você possui uma visão fechada de ciência. Acreditando que só existe aquilo que se pode mensurar. Como não é falho o Paradoxo de Epicuro? Que diga-se de passagem, não era ateu. Existem falhas nesse paradoxo porque a visão de Epicuro reflete a visão que os gregos tinham de Deus, deuses cheios de manias, falhas de caráter, etc. Assim como você, Epicuro só fez conjecturar. Mais uma vez vocês atribuem a responsabilidade dos homens a Deus. Assim fica mais fácil dormir com a consciência tranquila, né amigão? Acredito que foi Deus quem criou a bomba H, napalm, e por aí vai, não foram os “cientistas malucos” que vocês tanto ‘cantam em verso e prosa’. Ademais, Se Deus impedisse o homem de fazer o que deseja, o homem não poderia se dizer livre, seria um ‘robô, logo, e vocês culpariam Deus do mesmo jeito pois diriam que Ele não deixa o homem agir conforme sua consciência.não teria a necessidade de Ele me salvar, através de Seu Amado Filho. Ah! A consciência é algo que não se pode tocar, nem mensurar mas você sabe que tem, não é? Logo sua visão fechada de Ciência que só acredita no que vê e mede fica meio comprometida.

      • Éverton

        Ciência? E quando eu falei em ciência ou tratei do que é científico? Bem, não me relacione ao que eu não relacionei. O paradoxo dele não é falho, pelo menos não é falho para demonstrar a impossibilidade do Deus BÍBLICO existir, estritamente tal como ele é caracterizado pelo cristianismo. Se você for deísta ou similar a isso, a história é completamente diferente. Ninguém verdadeiramente bom pode conceder a responsabilidade enorme ao homem de fazer quase que bem tudo entender para PREJUDICAR o seu semelhante. Tipo, estuprar, tipo, matar um inocente, tipo, matar um recém nascido, entre outros quase infinitos exemplos. Não vejo problema algum em Deus nos dar uma RESPONSABILIDADE, aliás, isto seria muito pertinente já que nos impõe uma moral, mas o problema dessa concepção de vocês é Deus PERMITIR que se estupre, que se mate, além de permitir todo tipo de catástrofe e tragédia horrenda. O problema, não é o mal existir, o problema é o extremo dos males existir, e um deus genuinamente benévolo não trataria o ser humano com indiferença, porque convenhamos que um Deus que poderia cancelar a possibilidade de uma mulher ser estuprada mas prefere que seja possível, não se importa com isso. Epicuro, embora não negasse a existência dos deuses, não cria em castigo divino, o que sugere que não cria em deuses pessoais, que é no que você provavelmente crê. Portanto ele estaria descartando Deus como um ser pessoal.

        • Arlindo Holandes

          Você está ‘mascarando’ o Paradoxo de Epicuro, que é falho, sim, quando comparado a um Deus perfeito, sem defeitos, o tal paradoxo mostra-se ineficiente; agora, quando aplicado aos deuses da mitologia grega cujos caráter e altruísmo eram postos à prova, mostra-se pertinente. Ou seja, as ideias de Epicuro são válidas para o que os gregos, que eram racionalistas, que atribuíam limitações humanas aos seus deuses.

          Ora, como Deus não se importa com os seres humanos? Se chegou ao ponto de enviar o próprio Filho para salvá-los. No entanto, isso não pressupõe acharmos que Deus vai impedir, citando suas palavras, ‘de alguém estuprar uma mulher’, se Deus o fizer, o ser humano jamais se dirá livre, por conseguinte, culpará Deus por não ter sua vontade respeitada.

          Quem melhor para falar de você: você mesmo ou outra pessoa? Ora, para nós, cristãos, Deus esteve e está aqui na terra, pois, para nós O Cristo é Deus igual ao Pai. Não fosse assim, cientistas do Projeto STURP não teriam dito que o Sudário de Turim é autêntico e tem mais ou menos 2000 anos, eu falei CIENTISTAS, não fiéis católicos. Outra coisa, um cientista italiano ateu conhecido como Luigi Garlaschelli fez uma imitação grosseira do Sudário, isto é, se um cético fez uma cópia grosseira de, segundo vocês, uma falsificação da idade Média, isso comprova que, ou ‘falsificador’ da Idade Média era mais inteligente e tinha mais tecnologia do que hoje, ou o Sudário de Turim é autêntico, como, aliás, deduziu o projeto STURP que foi organizado por CIENTISTAS.

          Em relação a eu deduzir acerca de sua noção fechada de ciência, presume-se pelo fato de você se reconhecer ateu e não agnóstico, logo supus que você não crê senão na noção fechada do cientificismo, que é diferente da Ciência, pois esta não consegue explicar o que aconteceu no tecido do Sudário, deduzo isso a partir das conclusões a que chegou o Projeto STURP. Nem mesmo a NASA conseguiu explicar a origem do material que forma a imagem de Nossa senhora estampada na tilma do índio Juan Diego no Manto de Guadalupe, ou seja, a NASA classificou como material desconhecido, ou seja, não existe na Tabela Periódica, vocês poderiam explicar então alguns questionamentos inerentes às conclusões a que os cientistas chegaram?

          Questionamentos como: Por que o cético Luigi Garlaschelli não conseguiu reproduzir o Santo Sudário em pleno século XXI com todas as características que este possui, como tridimensionalidade, energia que emana do corpo, características dos ferimentos que não se conheciam na Idade Média, etc. Será que o ‘falsificador medieval’ dispunha de mais tecnologia e genialidade do que os céticos de hoje? Outro questionamento é óbvio, como pode ter sida a Igreja Católica a produzir o Sudário se a Igreja não sabia que os pregos foram colocados numa região das mãos conhecida como espaço de Destot, a Igreja acreditava que haviam sido colocados na mão mesmo,já os ferimentos nas mão do Homem do Sudário, as marcas dos pregos aparecem no pulso, logo não foi a Igreja quem o produziu.

          Outro questionamento, se vocês acreditam somente no que reproduzível e mensurável em laboratório, por que a Ciência do século atual não consegue reproduzir essas relíquias, em especial os cientistas céticos?

          É por esses e outros motivos que eu creio na existência do Deus pessoal, pois para fazer esses feitos, somente um ser consciente.

          • Éverton

            Bem, não irei questionar o a sua crença. Aliás, não tenho a menor razão pra buscar combatê-la. Apenas creia, eu respeito. Não tenho razões pra acreditar que o Santo Sudário seja real tampouco que mesmo sendo, concerne a Jesus Cristo.

            A questão de reconhecer como conhecimento válido apenas o que é empírico é só uma tendência entre ateus ou agnósticos, isso não é necessariamente verdade.

          • Arlindo Holandes

            Nem eu estou planejando combater sei lá no você acredita, rs. Apenas deduzo em relação às respostas que me enviam. A grande diferença, é que eu demonstro o porquê de eu acreditar, citando cientistas e experimentos, que efetuaram estudos em relíquias cuja autenticidade a ciência não invalida. Bem, geralmente são ateus que ‘abraçam’ o Paradoxo de Epicuro, logo! Ora, nenhum cristão afirma que Deus não é benevolente, até porque os cristãos não acreditam em Zeus, Hera, Dionísio, etc.
            Como vou moderar as certezas das coisas que não vejo, se isso o que você disse é o conceito de fé? O próprio Cristo disse que felizes os que não viram e creram. Ora se existem fenômenos que ocorrem em relíquias e que a Ciência contemporânea não explica e que existem a séculos, como não terei certeza da existência de Deus?

            Ademais, se não estou enganado, você defendeu o Paradoxo em questão, então como não quer que os outros façam uma imagem de você? Como alguém que não se diz ateu, duvida da benignidade de Deus?

            Por fim, a Biologia diz claramente que só existe vida a partir de uma vida preexistente, por que seria diferente com o universo?

          • Caruê Gama Cabral

            O Epicuro é realmente brilhante a sua logica é perfeita, existem duas conclusões para o paradoxo: Deus carece de um dos três atributos ou ele simplesmente não existe. Justamente por isso o argumento pode ser usado por um Deista e por um ateu. Na realidade muitas pessoas com alguma ´´religiosidade“ duvidam da benignidade de deus, nem toda religião alega que deus é um tipo de babá que fica cuidando das suas ovelhas.

          • Arlindo Holandes

            Acredito que o Argumento de Plantinga também é bastante interessante no que diz respeito ao livre arbítrio.

          • Arlindo Holandes

            Bem, admiro mais os estudos de Agostinho de Hipona que trata muito bem dessa questão da vontade e do livre arbítrio.

          • Caruê Gama Cabral

            Epicuro é realmente brilhante a sua logica é perfeita, existem duas conclusões para o paradoxo: Deus carece de um dos três atributos ou ele simplesmente não existe. Justamente por isso o argumento pode ser usado por um Deista e por um ateu. Na realidade muitas pessoas com alguma ´´religiosidade“ duvidam da benignidade de deus, nem toda religião alega que deus é um tipo de babá que fica cuidando das suas ovelhas.

  • Matheus

    “o fiel crê que seguindo as palavras da bíblia (exceto o Deuterônimo”, Levíticos, Exodo, e todo o velho testamento.

  • docke

    Que charge infeliz…
    Quem é o idiota ou hipócrita que acha a ideia de um deus interessante?