Bule Voador

Pensamento Crítico e Ensino

Frequentemente, realizo discussões sobre os diversos problemas no mundo e, em particular, no Brasil. Essa discussões variam sobre os mais diferentes assuntos, como laicidade do Estado, direitos humanos e proteção às minorias. Creio que a condição primária para discutir qualquer conteúdo é o embasamento teórico. Evidentemente, a vivência pessoal pode colaborar na discussão, mas o fortalecimento de ideias através de estudo e reflexão é essencial para o bom andamento das diversas conclusões. Mesmo ideias com as quais eu não concorde podem ser bem argumentadas e podem causar uma reflexão sobre algum aspecto que não fora considerado inicialmente.

Entretanto, o que observamos nas diversas discussões na internet e no dia a dia, poucos possuem essa maturidade para conversar em alto nível. Notem que não estou dizendo que todos devem ter a mesma opinião ou concordar comigo. Apenas digo que deve haver profundidade na discussão. Deve-se buscar um aprofundamento necessário para que questões complexas possam ser bem argumentadas e defendidas com boas premissas.

Esse cenário só é possível quando existe um nível de educação e ensino que estimulem o pensamento crítico. Nosso sistema educacional atual busca simples reprodução e absorção de conteúdo. Não se estimula o raciocínio ou a busca por respostas. Não se estimula a curiosidade. Não se ensinam ciências de maneira a despertar o desejo das pessoas de aprender (tanto crianças quanto adultos) . O que se faz é simplesmente ficar no senso comum.

A internet proporciona um reflexo disso, no qual vemos notícias sendo repercutidas sem maiores cuidados. Vemos opiniões rasas, que simplesmente repetem a opinião de outrem. Parece que por que uma celebridade ou autoridade disse algo, aquilo é verdade. Não raro ouvimos “eu vi na internet” como argumento que garante a veracidade do fato.

Um exemplo bastante evidente é com o que ocorre na política, em que temos uma discussão superficial sobre assuntos complexos. Como disse, não é uma questão de quem está com a razão e sim uma questão de como as pessoas formulam seus argumentos. Podemos expandir essa observação para as mais diversas áreas.

É necessário que nos preocupemos com esta questão da educação que é a base da sociedade. A capacidade de entender fenômenos naturais, ler um texto e criticá-lo com argumentos, ouvir e compreender outros pontos de vistas (ainda que sem concordar) é o essencial para formarmos uma sociedade mais justa.  Esta é a conclusão a que chego toda vez que entro em qualquer discussão sobre os assuntos que citei no início do texto.

Enquanto poucos tiverem acesso à um raciocínio crítico nossa sociedade ficará sujeita à manipulação de políticos, mídia, líderes religiosos e videntes. Necessitamos trabalhar para que nosso sistema educacional se modernize, fuja da simples doutrinação e passe a proporcionar capacidade de reflexão.

 

José Paulo R. de Lima
Paulista de Jundiaí, é empresário da área de TI e professor de colégio técnico da área de informática. Possui graduação em sistemas de informação (EACH-USP) e mestrado em ciências pelo PPgSI (EACH-USP).
Fã de ficção científica, espera que a humanidade alcance os parâmetros sociais apresentados em Star Trek.
Também coleciona quadrinhos e adora viajar com sua esposa.
  • Jonas

    José Paulo R. de Lima,
    Muito bom seu texto, também penso assim, que a educação é tudo em um país.
    Espirito crítico é bom para o ser, e ruim para o sistema, governo ou matrix.
    Quanto mais estudamos, pesquisamos e investigamos, mais acreditamos que o sistema não faz sentido nenhum.

    • José Paulo Lima

      Saudações, Jonas.

      Obrigado pelo comentário.

      De fato, existem várias razões contrárias ao desenvolvimento do pensamento crítico, variando entre razões políticas ou ideológicas. Mudar esse cenário é algo extremamente difícil e levará muitos anos. Trabalhemos para que, mesmo com avanços pequenos, continuemos avançando.

      Sucesso!

      • Jonas

        Exatamente José Paulo,
        Mais uma vez concordo com você, uma coisa que descobri é que conhecimento e sabedoria é poder, e quem os detém faz de tudo para manter certos conhecimentos em segredo, sobretudo os ocultos (filosofia, espiritualidade, força da natureza).
        Como disse, devemos ser o exemplo de nossa geração, e que o conhecimento deve se passado, e não detido por uma pequena parcela das pessoas.
        Abraço camarada…