Bule Voador

Memória da água e coisas que os homeopatas não dizem

Estudar o processo histórico das atuais chamadas práticas complementares da medicina pode auxiliar no entendimento de como elas ainda se mantêm populares. 

Pouco antes de eclodir a segunda guerra mundial a homeopatia estava relativamente esquecida na Europa. Foi nessa época que os conselheiros médicos de Hitler o incentivaram para a retomada da prática. A razão disso parece ter sido pouco científica. O fundador da homeopatia, Chistian Hahnemann, era alemão. Assim, a tentação de retomar a prática era óbvia: isso aumentaria o sentimento nacionalista.

truqueEssas e outras histórias estão bem relatadas no livro “Truque ou tratamento“, que foi traduzida em 2013 pela editora Record. Os autores Edzard Ernst e Simon Singh ainda nos contam mais sobre a homeopatia. Coisas que geralmente os homeopatas não sabem ou escondem.

É verdade que Benveniste e colaboradores publicaram um artigo na prestigiada revista Nature. Alegação: que a água possuía memória, e de alguma maneira a ultra-diluição em preparados homeopáticos poderia reter moléculas da solução original. Como foi feito (em síntese): basófilos (uma célula sanguínea que reage a um agente alérgico específico) foram colocados em contato com soluções cada vez mais diluídas e ainda reagiram contra o componente alérgico que as compunha.

Mas também é verdade que os experimentos foram conduzidos sem rigor. Meses após a publicação um grupo de cientistas visitou o laboratório de Benveniste no intuito de acompanhar as experiências. Como a alegação era extraordinária (assim exigindo evidências igualmente extraordinárias) o grupo propôs experimentos de duplo-cego, nos quais os realizadores das experiências não saberiam previamente quais frascos continham as soluções mais diluídas (mais precisamente, o analista não saberia identificar quais as amostras de basófilos teriam sido tratadas com soluções homeopáticas e quais teriam recebido apenas tratamento com água). Isso eliminaria a tendência do laboratorista em privilegiar os resultados das amostras mais diluídas, pois as análises dependiam de certa forma de um componente subjetivo para se chegar ao resultado. Assim, constatou-se que, após essa nova batelada de experimentos, os basófilos não reagiram de maneira distinta do grupo controle contendo apenas água.

Os homeopatas ainda não dizem: a mesma revista publicou mais três artigos nos quais pesquisadores independentes falharam em repetir os resultados alegados por Benveniste. Ele também foi o primeiro pesquisador a ganhar dois igNobel (paródia do prêmio Nobel).

Desde aquela época (final de década de 80), o mágico James Randi já vinha oferecendo uma boa quantia para quem apresentasse dados convincentes da eficácia da homeopatia (ou de qualquer outra alegação extraordinária). Aliás, ele esteve presente na comissão científica da Nature para investigar os resultados do grupo liderado por Benveniste. A oferta aumentou com o passar dos anos, e hoje está em um milhão de dólares. Então, alguém arrisca?

Conclusão, homeopatia não se distingue de pílulas de farinha.

____________________________________________

Fonte: http://cicero-escobar.blogspot.com.br

Cicero Escobar
Editor-Chefe do Bule Voador.
  • Marcelo Augusto Leocadio

    Varias palavras falando porra nenhuma….. falácia de um ignorante.

    • Cicero

      E de que maneira um xingamento vai mostrar que você quis dizer alguma coisa?

  • Legal, não sabia que esse livro tinha sido traduzido, muito bom saber!

  • Gabriel Rodrigues

    Uma coisa que eu nunca entendi: se a homeopatia é baseada na “memória da água”, como podem os remédios serem comprimidos? Não teria que ser uma espécie de poção/ampola? Ou, no mínimo, uma cápsula?

  • Fábio Rodrigues Romão

    Lamentável como as pessoas estacionam em uma visão cartesiana de mundo. Eu entendo que para defender ou descredenciar qualquer teoria é necessária uma visão holística onde todos os ângulos de visão se tornem convergentes. Neste caso, como você explica esse vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=-SSsY603OUw

    Fazendo um pré-resumo: a experiência citada no artigo acima somada à experiência desse vídeo faz emergir uma das prerrogativas da mecânica quântica moderna: a consciência do observador interfere no comportamento do universo que o cerca. (eu disse “faz emergir”; não disse que confirma).

    E, por favor: antes de dizer que a tal prerrogativa é leviana, encontre um neurocientista (um único neurocientista) que possa descrever como é a realidade se excluirmos a mente humana (ou o cérebro) da jogada. Então é lamentável como a ciência se contradiz nela mesma, ou seja, ao mesmo tempo que ela reconhece que a realidade não pode ser explicada se excluirmos a mente humana, ela diz que a mente humana não interfere na realidade. Escuta… Estamos falando de cientistas ou de um bando de psicóticos alucinados???

    A realidade dos fatos é uma só e pode ser facilmente entendida quando se compreende as conspirações desse planeta: a verdade de como o universo funciona existe e é largamente conhecida. Mas esse conhecimento nas mãos do povo afeta diretamente os interesses dos que estão no poder. Então, dentro desse cenário, confundir é uma estratégia de mestre. Não foi por nada que Jesus disse: “Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo de esclarecerá”. Não sou religioso, mas tento caminhar com os olhos (bem) abertos.

    • Cicero

      Pelas barbas de Platão, que salada de fruta. Só que sem sabor.

    • Danilo Fraga Dantas

      Ow, Fábio, é óbvio que a realidade não pode ser explicada cientificamente POR HUMANOS se não houver mentes humanas, mas daí não se segue que a explicação científica dependa da mente humana.

  • Harvey_o_Adevogado

    Meu cachorro curou de uma doença com homeopatia. “Devo ter falado na frente dele que era remédio o que ele tomava e que ele ia sarar”.