Bule Voador

O mundo secreto do INCONSCIENTE

Antes de ontem (06 de fevereiro de 2013), caminhando pelo centro de Belo Horizonte, eu fui repentinamente capturado pela capa da revista Super Interessante deste mês. A imagem de um cérebro grande e vermelho e a palavra “INCONSCIENTE” fizeram-me parar, ler o subtítulo da matéria (veja abaixo) e, apesar do preço, levar um exemplar. Com um tal “novo inconsciente” no ar — ou bem amarrado nos labirintos do cérebro –, eu não poderia perder a chance de escrever uma resenha crítica e falar um pouco sobre um dos maiores construtos da psicologia.

“Sim, ele realmente existe. Controla quase tudo o que você faz e é capaz de coisas que você nem imagina. As últimas descobertas da ciência desvendam o lado oculto da mente — e confirmam a principal teoria de Freud.”

o mundo secreto do inconsciente-super interessante


O novo inconsciente

Há mais de um significado para a palavra “inconsciente”, e a matéria da Super (Santi & Lisboa, 2013) fez referência a dois deles. Um conceito mais genérico, aceito por grande parte dos psicólogos, designa como “inconsciente” qualquer processo psicológico a que o indivíduo não tem acesso ou que ocorre sem que ele perceba. Enquanto estamos aprendendo a dirigir, por exemplo, ficamos atentos a e seguimos cada instrução que nos é dada, e executamos cada movimento com bastante cautela. À medida que as coisas vão dando certo, passamos a agir sem muito planejamento, e aos poucos conseguimos ao mesmo tempo alterar a frequência do rádio e conversar com o passageiro. Em outras palavras, chega um momento em que naturalmente nos comportamos no “modo automático”, podendo nos empenhar em outras atividades enquanto inconscientemente dirigimos, dançamos ou digitamos.

O outro conceito abordado na matéria é mais controverso. A existência do inconsciente, “entendido como um pedaço da mente dotado de vontades que [escapam] ao controle consciente” (p. 40), já era discutida desde o Iluminismo. Todavia, Sigmund Freud foi quem transformou essa e outras ideias em uma teoria e num conjunto de técnicas: a psicanálise. Como “uma prisão de segurança máxima” (Gay, 2012), no inconsciente psicanalítico estariam trancados ou recalcados nossos traumas de infância. Esse conteúdo traumático, que eventual e mascaradamente apareceria em lapsos, brincadeiras e nos sonhos, seria a verdadeira raiz do sofrimento humano. Hipótese profunda, não acham?

Ao longo da matéria, foram descritos alguns estudos neurocientíficos que respaldariam a existência do(s) inconsciente(s). Na verdade, o advento dessas pesquisas estaria dando uma nova cara a essa entidade. O “novo inconsciente”, como alguns neurocientistas o vêm chamando, seria estudado por uma abordagem que “propõe uma explicação puramente neurológica para o lado oculto da mente” (p. 40).

Mas explicar fenômenos psicológicos por processos neurológicos não é uma tarefa simples. Vejamos as seguintes afirmações:

  • “Seu cérebro consciente não enxergava mais nada. Mas o inconsciente dele ainda conseguia ver — e, mais do que ver, julgar os rostos das pessoas” (p. 38);
  •  ”[...] o seu inconsciente trabalha nos bastidores durante o papo, vasculhando o seu vocabulário e abastecendo o consciente para ajudar você a se expressar” (p. 39);
  •  ”[...] seu inconsciente se encarrega de transformar em ideias os sons que estão saindo da boca dela” (p. 39);
  •  ”O cérebro é abastecido pelos olhos, ouvidos e outros sentidos, e o inconsciente traduz tudo em imagens e palavras” (p. 39);
  • “O analista não conseguia perceber nada de diferente nas imagens, mas o inconsciente dele, sim” (p. 45).

.
Em suma, afirma-se que o inconsciente enxerga, julga, vasculha, percebe e traduz estímulos em ideias, imagens e palavras. Mais que isso, propõe-se que o inconsciente ocupa cerca de 95% do cérebro, o que quer dizer que 95% dos comportamentos descritos acima são executados… bem, por uma espécie de “cérebro inconsciente”. Note que os processos neurais não estão explicando o inconsciente: eles são o (novo) inconsciente.

Eu não vejo problema na ideia de que muitos comportamentos de um indivíduo ocorrem sem sua percepção ou sem que ele conheça suas causas. Entretanto, as coisas ficam estranhas quando termos apropriados ao indivíduo são atribuídos a uma parte desse indivíduo. A não ser que se dê significados diferentes a esses termos, não faz muito sentido dizer que o cérebro ou o inconsciente enxerga, julga, vasculha, percebe e traduz. Vou utilizar o caso da “visão cega” para demonstrar esse problema lógico.

Embora indivíduos que apresentam “visão cega” (ou blindsight) sejam completamente cegos, eles podem intuitivamente distinguir com certa eficácia faces amigáveis de faces hostis (um bom exemplo de como podemos responder a estímulos visuais inconscientemente). Na matéria, diz-se que a percepção e o julgamento dessas faces são realizados pela área fusiforme — uma parte do novo inconsciente –, e não pelo indivíduo. Mas quem de fato está percebendo e julgando — ou quem está nomeando uma face como amigável ou hostil — é o indivíduo, e não uma área de seu cérebro! Ninguém aceita a velha desculpa “Não fui eu, foi a minha mão”, e ninguém diria “O motor do meu carro é muito veloz” em vez de “O meu carro é muito veloz”. Cada uma dessas coisas pode estar envolvida ou relacionada ao julgamento, à agressão ou à velocidade, mas isso é diferente de dizer que a área fusiforme julga, a mão agride e o motor é veloz. Mesmo que consideremos 100% do bolo cerebral, nenhum termo psicológico é perfeitamente aplicável ou compreensível sem que se leve em conta a dimensão do indivíduo (suas ações, suas emoções e/ou seus pensamentos). Por isso, o comportamento dos neurocientistas (e não de seus cérebros!) de tomar a parte pelo todo é uma falácia — especificamente, é a falácia mereológica da neurociência (Bennet & Hacker, 2003).

Postular o sujeito cerebral (ou o novo inconsciente) suscita uma outra questão interessante. Logo na capa da revista, afirma-se que o inconsciente “controla quase tudo o que você faz”. Eu não duvido que certos processos inconscientes estejam por trás do comportamento, mas não parece ser uma boa estratégia tomá-los como o ponto de partida de nossas explicações. Se admitirmos que o ambiente controla nosso comportamento, somos contemplados pela possibilidade de o manipularmos. Contudo, se formos simplesmente controlados por energias e mecanismos de uma entidade oculta, o inconsciente, o que podemos fazer? Ora, os processos inconscientes não podem ser autodeterminados, o que resulta em podermos controlá-los — e controlar o comportamento como um todo — através da manipulação de variáveis ambientais.(1) A propósito, e como esclarecerei no próximo tópico, é possível que essas variáveis expliquem a maior parte dos — senão todos os — fenômenos cujas causas Freud atribuíra ao inconsciente.

sigmund freud-inconsciente

Sigmund Freud (1856 – 1939)

Mas eu não conheço a teoria freudiana o bastante para criticar sistematicamente suas teses. O que ficou claro para mim é que parte do subtítulo da matéria — “As últimas descobertas da ciência [...] confirmam a principal teoria de Freud” — foi bastante exagerada. Explico. Num estudo dirigido por ninguém menos que Eric Kandel, verificou-se que o núcleo basolateral da amígdala respondeu a faces de medo que piscavam rapidamente diante dos olhos dos participantes. Como eles não perceberam que os estímulos do experimento se tratavam de faces, concluiu-se que aquelas “imagens rápidas estimulavam diretamente o inconsciente (p. 42)” (ou emoções inconscientes), e que isso seria uma “comprovação neurocientífica de uma teoria central da psicanálise” (p. 42). A teoria diria que “a interpretação inconsciente de coisas negativas é a fonte de muitas aflições humanas” (p. 42), mas não ficou claro se os participantes realmente ficaram aflitos durante o experimento — e ficar aflito significa bem mais que ter uma região do cérebro ativada. Mesmo que os participantes tenham alegado certo grau de aflição, a tese central de Freud certamente não diz respeito ao breve incômodo gerado por faces hostis! O apelo da matéria é tão ruim quanto sugerir que a história da Arca de Noé é verdadeira em função da constatação de que, em épocas remotas, certas costas continentais sofreram grandes alagamentos. É necessário mais que indícios indiretos para que uma tese seja comprovada. Por isso, eu não vejo razão na conclusão de que o pai da psicanálise tinha razão.

O que conhecemos do inconsciente?

O inconsciente não é uma coisa, nem é um lugar ou uma parte de alguma coisa. Coisificar o inconsciente não me parece um bom começo para uma linha de pesquisa interessada em “comportamentos inconscientes”.

A crença no inconsciente psicanalítico parece ser justificada pelo fato de que pouco sabemos sobre a causa de nossos comportamentos. Por exemplo, ficamos surpresos quando trocamos o nome de quem conhecemos bem e quando notamos que nossas reações são desproporcionais a algumas situações. Tudo isso pode envolver certo aspecto de “inconsciência”, mas isso não implica que compreender esses comportamentos requeira explorar um lado oculto da mente (seja lá o que isso for).

Há alguns meses, venho notando que a maior parte dos lapsos verbais (cujas causas são comumente atribuídas ao inconsciente) pode ser explicada por eventos que os antecedem — um fenômeno bem estudo e intitulado efeito de priming. Em uma reunião em que estive presente, uma fonoaudióloga apresentou-se espontânea e vergonhosamente como sendo nutricionista. A causa de seu comportamento não estava nas entranhas de sua mente, e sim no comportamento de duas ou três de suas colegas nutricionistas, que tinham acabado de se apresentar. Para os que não notaram o que aconteceu antes do lapso da fonoaudióloga, seu comportamento poderia erroneamente sugerir um desejo oculto de fazer parte da categoria profissional de suas colegas.(2)

Mas esses “desejos ocultos” podem existir! Quando criança, eu me queixava eventualmente de dores e indisposições. A maior parte desses sintomas era real, mas eu costumava exagerá-lá em tempo e intensidade. Embora eu não percebesse na época, minhas queixas faziam com que minha mãe ficasse por perto, dando-me mais atenção e carinho. Em outras palavras, eu era inconsciente da — ou eu desconhecia a — relação entre minhas queixas e os cuidados de minha mãe, e só recentemente eu desocultei, por ter revelado a ela, meu desejo consciente de ser um pouco mais bajulado. Viram? Certos “desejos ocultos” podem existir…

Nos casos supracitados, os indivíduos desconheciam a(s) causa(s) de seus comportamentos, e eles agiram “inconscientemente” apenas nesse sentido. Como eu procurei demonstrar, o que havia para ser identificado ou conhecido não estava em algum lugar secreto da mente, e sim dizia respeito a situações ambientais indutoras (caso da fonoaudióloga) e/ou mantenedoras (meu caso) daqueles comportamentos. Na medida em que identificamos essas variáveis, não precisamos mais jogar a “responsabilidade explanatória” para o suposto mundo secreto do inconsciente.

Do homem das cavernas ao homem dos jalecos, tendemos a inventar entidades, forças e mecanismos capazes de atribuir sentido aos eventos cujas causas desconhecemos. Essas invenções podem ser relativamente úteis nos estágios iniciais de uma investigação, mas é importante que elas sejam suscetíveis à verificação empírica, ou poderão resultar em dogmas. Minha honesta impressão é de que o inconsciente psicanalítico foi uma tentativa de explicarmos, a respeito do comportamento humano, muito do que nos era desconhecido. Eu sou adepto à noção mais genérica de inconsciente — e de fato a ciência pode investigá-la –, mas não vejo como sua versão psicanalítica pode, nos dias de hoje, nos ajudar em alguma coisa. Espero que meus colegas freudianos e lacanianos não interpretem minha postura cética como uma “resistência inconsciente”. Entretanto, desde que me apresentem razões irresistíveis (lógicas e empíricas), mudarei de ideia sem sequer perceber.

Autor: Daniel Gontijo
Fonte: Montando o Quebra-Cabeça

Notas

(1) Para reflexões sobre a limitação de se explicar fenômenos comportamentais exclusivamente por variáveis internas (mentais e encefálicas), ver “O cérebro e o behaviorismo radical” (Gontijo, 2012).

(2) Esse fenômeno é facilmente reproduzível através de uma brincadeira bem conhecida. Peça que alguém diga “branco” rapidamente e por uns cinco segundos (“Branco, branco, branco, branco, branco, branco…”). Posteriormente, pergunte “O que a vaca bebe?”. Boa parte das pessoas dirá leite, que é branco, e não água.

Referências

  • Bennett, M. R., & Hacker, P. M. S. (2003). Fundamentos Filosóficos da Neurociência. Lisboa: Instituto Piaget.
  • Gay, P. (2012). Uma Vida para o Nosso Tempo. São Paulo: Companhia das Letras. (Citado na matéria resenhada.)
  • Santi, A., & Lisboa, S. (2013). O mundo secreto do INCONSCIENTE. Super Interessante, ed. 315. São Paulo: Editora Abril.