Bule Voador

MILÉSIMO POST DO BULE VOADOR!

Autores: Diretores membros do Conselho de Mídia da LiHS

Bule Voador decolando por Alê GM

O Bule Voador, poucos meses depois de completar um ano, atinge agora outra marca: são mil publicações promovendo a visão de que é possível um mundo melhor para as pessoas, especialmente se confiarmos na investigação científica, na promoção dos direitos humanos sem distinção de etnia, gênero, crença e orientação sexual, e na confiança de que a crítica livre numa sociedade aberta e democrática renderá sempre melhores frutos do que a concentração do poder.Promovemos a ideia de que o sofrimento diminuirá quando abandonarmos as tradições que não respeitam a dignidade humana.

O ser humano terá mais dignidade quando o respeito à pessoa for maior que o respeito a ideias – toda ideia, principalmente a tradicional, deve ser desafiada. Não merece respeito a alegação sem substância evidencial ou moral de que o universo está sob o controle de uma mente gigantesca, que se importa conosco, e que apesar de sua perfeição alegada concebeu como melhor ideia de ‘salvação’ o plano ridículo de que um inocente deve pagar pelos erros dos outros. Cabe a nós arregaçar as mangas para nos salvar do que precisamos ser salvos – de um mundo desigual, supersticioso e sectário. É falsa a ideia de que todo ser humano necessita ser salvo – ser gente não é uma maldição, mas uma maravilhosa e improvável benesse de extrema raridade neste universo.

Encerro este depoimento com uma ideia e uma notícia. A ideia é que nossas habilidades mais nobres são raras, e não estão presentes para além dos limites físicos em que vivemos. Ser gente é ser raro e precioso, por isso o universo não deve ser personificado. Espero que para vocês, nossos queridos leitores, o Bule Voador seja um oásis no mar da internet assim como ser gente é um oásis no universo. E a notícia é que isto aqui não é apenas um blog. Este é o principal canal de comunicação da LiHS, a Liga Humanista Secular do Brasil, uma associação sem fins lucrativos que está fundada e registrada em Porto Alegre.LiHS pronuncia-se “Lis”, por isso nosso símbolo é uma flor de lis. Acostumemo-nos a pronunciá-lo, porque se já falamos mil vezes, mil vezes mais começaremos a agir.

Grande abraço,- Eli Vieira – presidente da LiHS

Um depoimento do presidente do CM, e um histórico do Bule

Fazer parte do projeto do Bule e da LiHS desde o início é uma realização pessoal. As amizades que conquistei e as lutas que participei valeram muito a pena, e ainda é só o começo. É hora de comemorar! O Bule Voador chegou ao milésimo post (este). É um momento de agradecer a todos vocês que acessam o blog diariamente por tê-lo feito grande como é hoje neste pouco mais de um ano de existência. O Bule foi criado em 18 de setembro de 2009, quando alguns dissidentes de uma antiga associação ateísta resolveram montar algo novo, mais voltado pro humanismo do que pro ateísmo, mas sem perder as origens. Apenas dois desse antigo grupo fundador do Bule continuam; eu (Cristiano “Catupiry” Souza) e Eli Vieira. Os que saíram continuam como grandes amigos e não seria justo deixar de agradecer a Neil Vilela e Guilherme Roesler, e um pouco mais tarde a Silvia Chaucoski, entre outros. Todos com contribuições inestimáveis .O Bule já existia antes do dia 18/09/09. Após  rompimento com a antiga associação, resolvemos reativar o projeto, dando uma cara nova. Nesse processo, um grande amigo foi importante; Kentaro Mori (hoje membro emérito da LiHS), que nos forneceu estrutura e nos ajudou quando surgiram dúvidas e problemas. Após um tempo de trabalho com o Bule, Eli nos apresentou a ideia da Liga Humanista Secular do Brasil, todos abraçaram a causa e começamos a trabalhar no projeto. Muita gente entrou, muita gente saiu e depois de quase um ano de luta, hoje a LiHS é uma associação fundada e com conselhos Administrativo, Jurídico e de Mídia bem formados e fortes. Estamos nos últimos ajustes, mas o mais difícil já conseguimos, a LiHS saiu do papel. Temos hoje 23 pessoas nos conselhos da LiHS, divididas em várias funções. No Bule são 18 editores, todos capacitados e com um belo currículo, o que é essencial para manter a qualidade dos artigos e o respeito dos nossos leitores.O Bule tem uma média de visitantes únicos diários de mais de 2.000. Uma média de comentários superior a 10 por post. A média de permanência de um visitante no bule é de mais de 4 minutos. O Bule criou uma rede de visitantes assídua e participativa e é isso que nos motiva. Muito obrigado. – Cristiano “Catupiry” Souza

Depoimentos de editores do Bule Voador e diretores da LiHS

O que eu espero com a LiHS é a possibilidade de espalhar sementes. Levo, no meu trabalho e na minha vida pessoal, uma frase que ouvi na minha especialização, parafraseando: “Nem sempre teremos a chance de sentar à sombra das árvores que plantamos.”. É isso o que espero fazer aqui. Plantar sementes que virem árvores de um mundo melhor, sabendo que provavelmente não me sentarei à sombra de algumas delas, mas as deixarei para as gerações futuras.- Alex Rodrigues  Eu vinha observando o desenvolvimento do Blog do Bule bem antes de o Eli me convidar para integrar a equipe e ser vice-presidente da LiHS. O Conselho de Mídia sempre foi muito eficiente e atuante, e para mim é uma honra participar dele.- Åsa Heuser, vice-presidente da LiHS  Vejo no Bule e na LiHS um dos movimentos humanistas e seculares mais bem organizados no Brasil. É bom poder fazer parte de uma instituição promissora e poder contar com todos os leitores do Bule para ajudar a debater temas relevantes e formar uma opinião mais justa e fraternal sobre o que nos cerca. – Eduardo Patriota Gusmão Soares

Não é sinal de saúde estar muito adaptado a uma sociedade doente. O Bule Voador é um constructo social integrado por todos esses que não estão muito bem adaptados a essa sociedade doente. Sim, são pessoas que trazem dentro de si uma bagagem humana histórica. Mas por uma série de milagres termodinâmicos são capazes de reconhecer que num mundo dividido pela religião, pelas crenças fundamentalistas, pelas classes, pelas nacionalidades, tem que haver guerra, tem que haver exploração, tem que haver sofrimento inútil. No pináculo do improvável, são capazes de serem humanistas e acham isso suficiente. Estão libertos das visões estritas que a separatividade de consciência adstringe, estão a caminho da civilização humanista e empática, onde há a verdadeira inteligência que pode gerar soluções duradouras e estáveis para as crueldades bárbaras desta civilização. Nossa civilização foi do carro de boi até o avião a jato, mas continua, em sua manifestação psicológica coletiva, praticamente a mesma de milhares de anos atrás, com alguns poucos e valiosos momentos de união, amor e catarse. – Francisco Boni

Antes de conhecer o Bule Voador, acreditava ser bem menor o universo de pensadores humanistas, preocupados com a defesa de uma ética não-teológica, compatível com nosso passado evolutivo. Graças ao Bule, muitas pessoas se conscientizaram de que nosso agir moral não se deve à crença em um ser dotado de superpoderes mágicos, mas a nossas próprias decisões, e que a ciência e o pensamento crítico não são inimigos de nossa moralidade, mas uma aliada capaz de tornar nosso mundo um lugar muito melhor. E tenho certeza que os 1.000 posts passados são uma mera fagulha frente ao futuro que será percorrido pelo Bule. – Fábio Portela 

Você não precisa ser gay, ter uma deficiência, ser  negro, mulher ou compartilhar qualquer outra condição com outro ser humano para compreendê-lo, defender os seus direitos ou simplesmente empatizar com sua causa. Visite o Bule Voador, faça parte da LiHS e entenda que o maior inimigo do homem é ele mesmo e que cabe a cada um de nós, sem exceção, construir um mundo melhor e mais justo para todos. – Meire Gomes

Não existe vergonha nenhuma em defender um ideal coerente. Mas há de se ter muita força de vontade e coragem para nadar contra a corrente. A força do coletivo, nestas horas, é vital para manter a integridade do ideal, o foco da luta, a força na natação. E a correnteza já não parece mais tão perigosa. O Bule deixou de ser só um blog. É hoje um propulsor do humanismo secular no Brasil, alimentado por bons editores, com os quais tenho orgulho de compartilhar a responsabilidade midiática da LiHS e os dias da semana, e por visitantes e participantes ativos nas discussões e postagens. Não existe uma conjuntura em que o Bule exista sem seu público alvo. Portanto uma comemoração do sucesso do blog é, por definição, um agradecimento a vocês que fazem, lêem e discutem, e também aos que criticam de forma saudável, pois a ideia é esta, exatamente esta: promover a visão crítica. E se for pra deixar uma lição a partir do Bule, ela é: questionem tudo, questionem a autoridade, o senso comum. Os preconceitos mais arraigados e superstições mais tradicionais não sobrevivem muito tempo sob crítica, enquanto as idéias coerentes e a realidade, estas sim, passam imaculadas sob o crivo do olhar crítico. Com a crítica, eventualmente conseguimos pontuar a história com mudanças importantes. – Pedro Almeida

Fazer parte do Bule foi a melhor experiência que tive no ano de 2010. Ter contato com pessoas que lutam pelos mesmos direitos que eu me deu muita força, me potencializou. cada comentario que nossos textos recebem, cada critica, ou retweet que seja, faz com que nos aproximemos de uma sociedade mais igualitária e de um Estado laico de fato. Mas muito além dessas razões, que são mais que suficientes, escrever para o Bule, ler as respostas e tudo isso tambem é muito divertido. Apesar de se tratar de temas sérios e , muitas vezes, fortes, sempre acabo me divertindo por interagir com tantas pessoas. Eu não poderia querer nada melhor: fazer parte de uma missão tão íntegra sem deixar de aproveitar as risadas. – Rayssa Gon

Queremos agradecer a todos que fazem parte hoje da Diretoria da LiHS e do Conselho de Mídia do Bule Voador: Afrânio Henrique Ladeia Batista, Alex Rodrigues do Nascimento, Alê GM, Åsa Dahlström Heuser, Bruno Cezar Rocha, Cláudio Boaventura Braz Lima, Cristiano Manoel de Souza, Eduardo Patriota Gusmão Soares, Eli Vieira Araujo Júnior, Fábio Henrique de Souza Bezerra, Fábio Portela Lopes de Almeida, Francisco Boni Neto, Gregory Gaboardi Vieira, Igor Silveira Melo Cavalcanti, Leonardo Dias Lauria, Meire Gomes, Pedro Santos Almeida, Rayssa Gonçalves Cerqueira, Roberto Luís Rezende, Rodolfo Vietti da Fonseca e Rogério Fernandes Duarte, e também aos ex-editores Guilherme Roesler, Silvia Chaucoski, Rafael Augusto Alves Campos e Neilson Vilela.

Eli Vieira
Biólogo pela UnB, mestre em genética pela UFRGS, doutorando em genética pela University of Cambridge (Reino Unido). Membro fundador e ex-presidente da Liga Humanista Secular do Brasil. Escreve também em EliVieira.com e Evolucionismo.org